sábado, 27 de junho de 2015

JMJ Rio 2013, em busca da Areia Prometida


        Com a JMJ Madrid 2011 no currículo, garantimos nossa segunda Jornada em Julho de 2013, no Rio de Janeiro- RJ com o Papa Francisco. Na época, escrevi no Jornal Planeta Legionis a nossa saga sobre as cerca de 24 horas [dias 27 e 28 de julho] em que ficamos na Praia de Copacabana...confira!
      Os dois últimos atos centrais da JMJ foram transferidos de Guaratiba [que estava alagada] para Copacabana. Mesmo com a notícia decidimos sair cedo para conseguirmos um bom lugar. Levantamos às 5h da manhã, tomamos banho e arrumamos nossas mochilas. No entanto, ao abrirmos a janela, notamos que chovia forte. Adiamos nosso café para as 7h30, pois não arriscaríamos ficar molhados desde cedo. Mas somente às 9h, quando a chuva passou, que saimos do hotel. 
      A maior saga de nossa Jornada começou com 8 km de caminhada, do Centro à Copacabana. O percurso era monitorado por soldados do Exército já que a cidade estava tomada por peregrinos. No Flamengo, estavam sendo distribuídos os “kit vigília”, mas como a fila estava gigantesca desistimos. Nossa equipe suou a camisa durante o trajeto, mas a paisagem valeu a pena! Destaque a estonteante Enseada do Botafogo. A “Juventude del Papa” garantiu uma fantástica animação principalmente na Avenida das Nações Unidas [literalmente] e nos dois grandes túneis. Chegando às proximidades da praia, entramos em um hortifruti para garantirmos alimentos para as próximas 24 horas. 
      Ao meio dia atravessamos o calçadão beira-mar mais famoso do Brasil em busca de um cantinho na areia superlotada. Com dificuldades, encontramos um lugar razoável. Montamos o nosso “Forte de Copacabana” copiando os europeus que faziam verdadeiras muralhas de areia com duas ou três camadas pra tentar conter a maré. Não escondemos a sensação maravilhosa de ver o grupo trabalhar unido. Fincamos nossas bandeiras do Brasil e de Minas Gerais e fomos curtir o mar, já que o sol brilhava forte. Tiramos fotos, encontramos alguns conterrâneos da Diocese da Campanha, ensaiamos o flash mob e nos divertimos pra valer. Sem saber o que o destino reservara para nós... 
      Já passava de 16h quando nos reunimos pra fazer um lanche. De repente, o mar nos surpreendeu e engoliu nosso forte. Não levando por pouco nossos materiais. Desabrigados, vivemos o que apelidamos de “o maior perrengue da Jornada”. Recolhemos nossa lona e saímos à procura de um lugar mais afastado da maré. Missão praticamente impossível com cada metro quadrado da praia ocupado. Fomos distanciando do palco cada vez mais. O prédio do Copacabana Palace [sempre uma referência para nós] já se transformara em um pontinho longínquo. Os minutos se arrastavam e o crepúsculo solar nos avisava que logo seria noite...
      De mãos dadas e em fila indiana o grupo era constantemente empurrado por outros peregrinos. As conversas foram cedendo espaço ao silêncio quebrado somente por um ou outro palpite azedo de “acho melhor voltarmos para o hotel”.  O grupo perdia as esperanças e já eram quase 2 km sem progressos. Outra vez a maré veio e ensopou todo mundo, pois caminhávamos rente ao mar.  
       Quando as águas voltaram ao normal, Matheus encontrou um cordão com uma cruz da JMJ preso em seu pé. “Interpretei o fato como um sinal e fiquei muito emocionado. Como era o primeiro da fila ninguém percebeu o ocorrido. Decidi seguir o que me indicava a providência divina: Rezar, com toda a fé do meu coração. Algo que eu tinha me esquecido no meio do sufoco. Senti que não deveria fazer alarde, pois o recado era pra mim. Um líder não pode nunca desanimar porque senão o grupo também desanima”. Em pouco tempo encontramos um lugar próximo ao último telão instalado na praia. Aliviados, montamos nosso acampamento. 
       O papa impressionou os 3,5 milhões de jovens reunidos para ouvi-lo. O momento de Adoração e Bênção do Santíssimo Sacramento foi marcante. Os minutos de profundo silêncio com gente do mundo todo unida em uma só oração, jamais serão esquecidos.Terminada a celebração vestimos nossos sacos de dormir e apagamos. Ao contrário do que muitos possam imaginar, dormimos a noite toda. Fez muito frio, o mar estava revolto, mas só de não ter chovido já foi um verdadeiro milagre...

       Sobrevivemos mais uma vez...
       Às 6h40 do domingo, dia 28, o sol nasceu vitorioso e triunfante sob aplausos da multidão que já começava a despertar. Uma italiana próxima a nós exclamou: “Que belo!”. Vencemos mais uma noite em que dormimos sob as estrelas para aguardar uma Missa do Papa. [Em 2007 no Campo de Marte em São Paulo, em 2011 no Aeródromo de Cuatro Vientos em Madrid e agora em 2013 na praia de Copacabana, experiências completamente distintas]. Quando o Papa chegou ao palco foi apresentado o maior flash mob do mundo com a participação de 3,7 milhões de pessoas.

     A Missa de Envio foi excepcional. Cantos maravilhosos entoados por grandes nomes da música católica, inclusive padres famosos. No final, o Papa anunciou a Cracóvia, na Polônia, como sendo sede da próxima Jornada, no ano de 2016. Cansados, decidimos ficar mais alguns dias para conhecer melhor o Rio de Janeiro.

 Confira um vídeo incrível sobre a JMJ




         Leia também:  As Marcas de Francisco

                                 O Bom Peregrino carrega consigo um pouco do mundo


                              





      

Nenhum comentário: