sábado, 17 de outubro de 2015

Como me tornei fã de Senhor dos Anéis


“Três anéis para os Reis- Elfos sob este céu, 
Sete para os Senhores- Anões em seus rochosos corredores, 
Nove para Homens Mortais, fadados ao eterno sono, 
Um para o Senhor do Escuro em seu escuro trono, 
Na Terra de Mordor onde as Sombras se deitam. 
Um anel para a todos governar, Um anel para encontrá-los, 
Um anel para a todos trazer e na escuridão aprisioná-los, 
Na Terra de Mordor onde as sombras se deitam”  

     Diferente dos outros clássicos que conheci primeiro o livro e depois o filme, o meu encantamento com a obra “O Senhor dos Anéis” surgiu a partir da primeira adaptação para os cinemas, em 2001. Confesso que até então, nunca tinha ouvido falar do fantástico trabalho de J. R. R. Tolkien. Depois que assisti “A Sociedade do Anel” nas telonas, me interessei pelos livros e devorei a trilogia completa. 

     É uma literatura rica, densa e extremamente detalhista [por isso me identifiquei]. O autor descreve com maestria cada personagem e o mais surpreendente, cria sua própria Geografia, Biologia, História e seus idiomas. Se você é curioso como eu e fica imaginando a genialidade de alguém ao idealizar tudo isso, vai se tornar fã instantaneamente. Acredito que seja este o maior trunfo da saga do anel, o autêntico “universo paralelo” criado pelo cultuado escritor. 

      O mago Gandalf é o meu personagem favorito, de longe o mais versátil, inteligente e na minha opinião, o verdadeiro protagonista da história [brilhantemente interpretado por Ian McKellen]. Mas admiro bastante a coragem de Aragorn, a postura do anão Gimli, a comovente fidelidade do hobbit Sam e os exageros nas batalhas do elfo Legolas [Orlando Bloom na adaptação para os cinemas]. 
     Por falar nisso, Peter Jackson trabalhou na medida certa e conseguiu resumir bem a obra, tornando- a ainda mais atraente. A Nova Zelândia como cenário para as gravações também caiu como uma luva. Qual fã não gostaria de conhecer aqueles lugares? Se aventurar pelo Condado e afins? Aprovei “As Duas Torres”, mas sem dúvidas, “O Retorno do Rei” é o filme mais impressionante! Mereceu as 11 estatuetas do Oscar com toda a certeza, é um épico monumental. 

      Sei que gosto é gosto e cada um tem o seu, mas não consigo entender as pessoas que não apreciam Senhor dos Anéis, dizem que é longo e tal. Pra mim é fenomenal! Ainda não consegui essa proeza, mas tenho muita vontade de reunir os amigos para uma maratona e assistir aos três filmes de uma só vez, contando os intervalos, precisaríamos de um fim de semana inteiro. Quem sabe um dia...torcer para alguém se voluntariar ao ler esse texto (risos)...

      Não poderia deixar de mencionar claro, o ótimo trabalho feito a partir do livro “O Hobbit”. Conferi os três filmes no cinema e também fiquei bem satisfeito com o que vi. Claro que em escala menor, pois é uma história mais leve e curta, mas mesmo assim, sensacional. Um dos últimos trabalhos do brilhante Sir Christopher Lee, no papel do Mago Sarumam, vale a pena conferir! 

     Enfim, se você ainda não conhece o universo de Tolkien, este artigo é um convite para fazê-lo, você vai se surpreender com toda a certeza...  

       Leia também: Como me tornei fã de Smallville

                              Maratona Senhor dos Anéis




2 comentários:

Larissa Biancastelli disse...

Depois de Harry Potter, sem dúvidas é minha saga preferida. Cada detalhe, cada cenário me encanta. É um mundo de pura magia, que nos faz aventurar somente com a imaginação.

Matheus Pissolatti disse...

Falou e disse Larissa...depois de Harry Potter é minha saga preferida também...A obra de Tolkien é clássica e atravessará séculos com certeza...